segunda-feira, julho 26, 2010

Rascunho de hoje... de mim.

Para você que me deu apoio, desculpe-me a recaida...
Depois de tanto escrever sobre infinitas felicidades, sobre o que eu procurava em mim.

Vou adiantar o ocorreu e contar o fim...
O mês de julho veio minando minhas forças e esperanças.
Das vontades, pouco sobraram... Adiantei-me para tentar ressucitar, ou quem sabe nem chegar a morrer. Foi tentativa talvez de uma forma de esvaziar o que há em mim.

"Hoje eu a vi ...... "

Como eu queria dizer, eu gostaria de citar que foi a pior parte do meu dia...
Estava em casa, estudei, fiz coisas construtivas, apesar de um bolo que me deram não feriu nenhuma expectativa e fui convidado para ir ao cinema...

Chegando lá... eu a vi...

A mesma sensação de perder o chão, faltar o ar... desejá-la ali...
E eu não poderia estar, não poderia querer, do que estava fazendo já não sabia...
Já não convem aproximação, era incomodo pra mim. Porque é que sempre vem a vontade enorme de falar tudo aquilo que tá entalado em mim... porque é que eu me desfaço naquele sorriso, porque é que existe aquele abraço? Não cabe... não quero arriscar um fim de contato. Ou talvez deveria?

Deixando de lado meu pensamento egoista. Sobre isso:
Devia ser mais incomodo para ela do que para mim.
Aturar-me não é fácil... [também por isso gosto dela...] preserva-me, e preserva-se de forma tão simples... é educada... simpática... alegre.

Onde foi parar minha realidade? Deixe-me voltar para o tempo de alguns momentos antes de sair.

Saí de caso brincando que iria morrer...
algo ocorreu, realmente:
"Meu corpo voltou, mas a alma... há muito tempo eu perdi."

[Rascunho necessário, Rodrigo Cavaleiro]

7 comentários:

Visão disse...

As vezes eu me pergunto se o amor REALMENTE faz bem!

Helena disse...

Ah...!
Se pudéssemos escolher quem vai dentro do coração, tudo seria mais fácil, certamente.

Beijo.

JOY disse...

O amor, é a coisa mais maravilhosa, mas a paixão é o pior sintoma, porque raramente se transforma em amor. Pelo contrário, certas vezes vai matando as pessoas aos poucos. A menos que a pessoa apaixonada tenha uma mente aberta e saiba conduzir este sentimento!

Stivie Sena disse...

o amor é foda,sei bem disso,como disse o camarada ali em cima,será que ele realmente faz bem? só sei que sem ele não vivemos

ah ! to repaginando meu blog e tal,e to atrás de 2 escritores,gostaria que 1 fosse vc,se se interessar fala cmg p/gente ver se dá certo e tal
sucesso ai

Wendy disse...

É muito fácil e seguro retribuir amor à quem nos ama. Mas Amor também é amar a quem não nos ama igualmente!

M. Araújo disse...

E aos pouquinhos eu vou entendendo que o amor é mesmo um mutante nos afogando em adrenalina, por mais que a definição seja confusa, se exatamente hoje eu enxergasse de outra forma estaria sendo a pessoa mais positiva já vista por aí.
De fato, tudo é finito não é mesmo meu amigo? :/

Fabiana Folly disse...

É... O amor... Não estou em momento para falar dele. Já tive muitas alegrias com tal sentimento, mas no momento sou só tristeza, estou desacreditada dele...
Beijinhos