terça-feira, agosto 10, 2010

Por enquanto escrevo...

Deite-me num banco baixo, próximo o suficiente da grama que nem precisava esticar os braços para tocar, e logo abaixo de uma árvore...

... breve, imaginei-me com as estruturas que tem, e como eu, enraizado olhei...



Cair por terra,
ser arrancada do que alimentava,
Por uma força simples qualquer, que sopra, que pousa...
sem dor, ou emoção, preve a morte e a espera...
Descolore...
do verde para amarelo...
amorela,
amarela...


no percurso cruza o ar,
deixa para trás o lar,
fluindo o sangue, a seiva,
não possui coração próprio...
e sem ela,
descolora, a cor
verde para amarela...
preve a morte e espera...

Ela morreu ... em mim





mas germina, junto as folhas, semente.



[Poesia sobre uma árvore... por MininuNu - Matando os fantasmas]

Um comentário:

Fabiana Folly disse...

Que lindo hein? Inspirador moço!
O que acontece com o mundo? Tudo se esvairindo, o verde, os animais.... O que será que restará?
Fico preocupada com o futuro das futuras gerações e onde o "bicho homem" vai parar...
Beijos