quarta-feira, agosto 26, 2009

"Ao verdadeiro Fernão Capelo Gaivota, que vive em todos nos." Parte 1

E segue a história, iniciado obviamente pelo final. Assim poderão visualizar por partes, o que eu tenho pensado. Adquiri o hábito de ler, isto acrescenta meu vocabulário, faz-me ver outros pontos. Portanto, alguns dos livros que tenho acompanhado serão tratados aqui. Inicio então por Fernão Capelo Gaivota.

E de um comentário passado, dizia meu blog deixar de ser pessoal. Ledo engano seria este o reflexo da minha alma e o que se passa em meu coração. A falta de pessoalidade dos textos reflete a minha busca por outros assuntos, significa que eu não posso ficar preso a... imagem, pensamento, lembrança, desejo, sentimento... aquilo que possa impedir meu crescimento.
Pelo contrário ainda, posso afirmar, seria esse o real motivo, você, de fazer-me querer ser melhor, e ao invés do peso que carrego, tornar-se-á, força.

Tomamos então a idéia do livro, com algumas adaptações, para que tanto eu possa ver em mim e vocês em si mesmos que somos uma idéia de liberdade e de superação. Pequenas frases retiradas do livro, que no próximo post, venho a comentar.


A maior parte das gaivotas, não se preocupa em aprender mais do que os simples fatos do vôo - como ir da costa a comida e voltar. Para a maioria; o importante não e voar, mas comer. Para esta gaivota, contudo o importante não era comer, mas voar. Antes de tudo, adorava voar.

Porque e que lhe custa tanto ser como o resto do bando?

Foi como se lhe batessem com uma tabua. Os joelhos enfraqueceram-lhe, as pernas tombaram-lhe, um enorme rugido ensurdeceu-o.

Quem e mais responsável do que uma gaivota que descobre e desenvolve um significado; um propósito mais elevado na vida? Passamos mil anos lutando por cabeças de peixe, mas agora temos uma razão para viver, para aprender, para descobrir, para sermos livres! Dêem-me uma oportunidade, deixem-me mostrar-lhe o que descobri.

Muito bem, quem são vocês? – Nós somos do seu bando. Somos suas irmãs.

– As palavras eram fortes e calmas.
– Viemos para levar você para mais algo, para levá-lo para casa.

Para cada uma delas, o mais importante na vida era olhar em frente e alcançar a perfeição naquilo que mais gostava de fazer: Voar.
Escolhemos o nosso próximo mundo através daquilo que aprendemos neste. Não aprender nada significa que o próximo mundo será igual a este. Com as mesmas limitações e pesos de chumbo a vencer.

“Vê mais longe a gaivota que voa mais alto...”
Cada um de nós é, na realidade, uma idéia, uma idéia ilimitada de liberdade. Você tem a liberdade de ser você mesmo, de ser o seu próprio eu, aqui e agora, e não há nada que possa interpor-se no seu caminho.

A única diferença, a única, de fato, é que eles começaram a compreender o que são realmente e decidiram por em prática esse conhecimento.

Não é isso que você ama! Você não ama o ódio e o inferno, é claro. Você tem de treinar até ver a verdade, o que há de bom em cada uma delas, e ajudá-las a ver isso nelas próprias. Para mim, o amor é isso.

Não há limites, a sua corrida para a aprendizagem acaba de começar.



[Fernão Capelo Gaivota- Richard Bach]

2 comentários:

Carla disse...

Fernão Capelo Gaivota é maravilhoso! Lembro que quando li, nem vi o tempo passar, a tarde foi embora naquela história.. acho que vou procurar o livro novamente dentre os que tenho aqui, para passar outra tarde na companhia dele :)

Dina disse...

Noooooooooooooooossa, quanto tempo...
Li esse livro em 2007 quando fazia estágio na Petrobrás, por sinal o livro era da minha monitora de estágio.
Bem a historia me marcou muito pela sua linguagem simples e envolvente. E também porque era a primeira vez que eu estava trabalhando na área em que eu estava fazendo faculdade, ou seja o estágio estava começando a dar cor e forma aquilo em que eu escolhi trabalhar, Foi um ano maravilhosos.
Adorei a escolha Rodrigo.